19/02/09

Máscaras...



Todos nós usamos máscaras. A máscara da felicidade, de mulher profissional, de amante, de divertida, de apaixonada, de segura de si, mesmo quando por dentro não é isso que sentimos.

Esta é a melhor a melhor altura para deixar cair a máscara.

Hoje, só hoje, deixa cair a máscara!

Dá oportunidade que os outros te vejam como realmente és.

Surpreende os outros, aposto que és capaz, mostra-te.

Se não fores capaz, não te surpreendas, que a vida seja um eterno Carnaval, que vivas com máscara, tu e as tuas outras personagens, por todos os dias da tua vida..

Um dia vamos querer tirar a máscara e fazer a dolorosa descoberta de não saber o que somos quando nos apercebemos que por trás da máscara sempre houve outra máscara.

A de fingir que sempre fomos “outros”.. Vamos sendo o que se espera de nós e nunca nós mesmos.

Hoje acordei profissional... Vesti o fato e coloquei a máscara.

Cheguei ao local de trabalho. Todos têm a sua máscara e todos gostam da minha... é mais fácil assim.

Talvez se me vissem sem máscara tivessem medo de tirar a deles.

Ou talvez mantivessem a sua máscara e gostassem na mesma de me ver sem a minha. Quem sabe?

Quanto tempo demora para que a máscara caia?

Seremos nós a própria máscara?

Quero acreditar que não... sei que não... vou-me olhar ao espelho e ver se reconheço o reflexo.

2 comentários:

Paulo Morais disse...

A vida é um palco de teatro. No quotidiano toda a gente que nos rodeia espera da nossa parte a deixa certa para connosco poder contracenar. Se num dia menos bom não sorris…se por um descuido não fazes um cumprimento…ou por um mero acaso deixas cair a “máscara”, o argumento muda, e em vez de herói passas a ser vilão… e assim sendo...de nada vale mudares de personagem, molda-a ás tuas necessidades e aquilo que te obrigam a ser, de forma a nunca deixares de ser tu mesma…porque de resto a mascara nunca cairá…faz parte do espectaculo que é a Vida...e como tal...”The show must go on” !

Carla por dentro disse...

Se todos fossem pura verdade viveriamos num mundo perfeito...
Não perder a nossa essência é fundamental.
Ser tão transparentes, que quase ninguém nos conheça por não sermos quem não queremos parecer ser.