10/03/09

De que valeu...


De que valeu o suspiro de saudade?

De que valeu a melancolia pelos desencontros?

De que valeu a esperança por um novo encontro?

De que valeu as luzes de vela?

De que valeu aquele sorriso seguido de uma dança?

De que valeu o desejo dos nossos corpos?

De que valeu querer tanto que os nossos destinos se encontrassem?

De que valeu o vento nos nossos rostos?

De que valeu o beijo com gosto de quero outro?

De que valeu dizer "esperei muito tempo por este momento"?

De que valeu o abraço quando as saudades eram maiores que nós os dois juntos?

Diz, de que valeu a espera sem saber que um dia teríamos este desencontro?

Eu sei responder... e tu sabes?

Podes sempre fazê-lo...

4 comentários:

Paulo Morais disse...

Podia sempre enveredar por um chavão e responder-te que "vale sempre a pena quando a alma não é pequena", mas a verdade é que por muito grande que esta seja...nem sempre vale a pena...o sofrimento é bom quando se tem prespectivas de vir a realizar aquilo que se deseja...sofrer em vão...de nada vale e a vida é mesmo feita de desencontros por mais que lutemos por nos encontrar! De qualquer forma esta é apenas a minha opinião, quem de direito há-de te responder á pergunta á qual dizes saber a resposta...eu não sei! lol

beijinhos

Carla por dentro disse...

Vale sempre a pena...
No desencontro há sempre um caminho que encontra alguma coisa...nem que sejamos nós próprios!

Carla por dentro disse...

Vale sempre a pena...
No desencontro há sempre um caminho que encontra alguma coisa...nem que sejamos nós próprios!

Carla por dentro disse...

Vale sempre a pena...
No desencontro há sempre um caminho que encontra alguma coisa...nem que sejamos nós próprios!